Serial killer que usava aplicativo de relacionamento para achar vítimas é condenado a 160 anos de prisão

A Justiça de Nova Jersey, nos Estados Unidos, condenou a 160 anos de prisão na última terça-feira, 6, um homem de 25 anos suspeito de usar aplicativos de relacionamento para atrair e matar mulheres estranguladas. Classificado como “serial killer” por analistas forenses, Khalil Wheeler-Weaver teria matado três mulheres e tentado assassinar uma quarta em encontros no Norte do Estado norte-americano entre setembro e dezembro de 2016. Ele foi descoberto quando a amiga de uma das vítimas se passou por “isca” com ajuda da polícia e marcou um encontro com ele. “O acusado acreditava que as vítimas eram descartáveis. Elas eram mortas e ele seguia com o dia dele como se nada tivesse acontecido, mas a vida de cada uma dessas mulheres importa”, afirmou o promotor-assistente do caso, Adam Wells, perante o júri.

Ao se dirigir ao juiz, identificado pela imprensa internacional apenas como “Mark S.”, Kalil afirmou que era inocente e foi vítima de uma armação. A mãe, tia e irmão do suspeito estavam presentes no local, mas não falaram com a Justiça. A primeira vítima de Wheeler foi uma jovem de 19 anos da Filadélfia, que foi vista por testemunhas entrando no carro do acusado no dia 31 de agosto de 2016 e foi morta poucas horas depois, tendo o corpo abandonado em uma casa próxima à do suspeito e incendiada em seguida. O corpo dela demorou duas semanas para ser identificado. Cerca de um mês depois, a segunda vítima do suspeito foi uma mulher de 33 anos que também teve o corpo abandonado em uma casa e encontrado após seis semanas. A terceira vítima desapareceu no dia de Ação de Graças de 2016, no mês de novembro. Todas tinham marcas de estrangulamento feitas pelas próprias roupas.

 

Fonte: JP – Jovem Pan

 

Siga nas redes:
Instagram: jornalimprensaregionalregoeste
Site: jimprensaregional.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/pg/jimprensaregional

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.Os campos obrigatórios são marcados *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: