Manifestantes fazem ato em defesa da educação e contra a reforma da Previdência em SP

Professores, estudantes e representantes de centrais sindicais de todo o país fizeram na tarde desta terça-feira (13), um ato contra os cortes da educação e contra a reforma da Previdência na região central de São Paulo.

Os protestos desta terça-feira foram convocados por entidades estudantis, como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes). Há ainda cartazes de diversos sindicatos de professores, como a Apeoesp e o Sinpeem, da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Os manifestantes se reuniram no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. Às 16h, eles fecharam a pista da via no sentido Consolação em frente ao Masp. Depois, o sentido contrário, Paraíso, foi bloqueado. Por volta das 19h, os manifestantes ocupavam a Rua da Consolação sentido Centro rumo à Secretaria da Educação, na Praça da República. Às 19h35, os primeiros manifestantes chegaram à praça.

A pauta contra a reforma da Previdência tem sido recorrente em atos que envolvem críticas ao governo federal. A proposta de emenda à Constituição que altera as regras da Previdência foi enviada pelo Executivo ao Congresso. O texto já foi aprovado em dois turnos na Câmara e agora está sendo discutido pelo Senado.

O coordenador do Movimento dos Tralhadores Sem Teto (MTST), Josué Rocha, afirmou que a reforma da Previdência e os cortes na educação são “ataques aos direitos sociais”.

“Nós entendemos que essas medidas do governo Bolsonaro reforçando a reforma da Previdência e fazendo cortes na educação são ataques aos direitos sociais. A reforma da Previdência mexe em direitos como a pensão e a aposentadoria por invalidez o que na prática vai restringir a possibilidade dos trabalhadores mais pobres de se aposentar. É por isso que a gente se colocou contra desde o começo. Infelizmente a reforma já passou na Câmara mas está indo pro Senado e a gente vai continuar na rua durante todo o processo”, disse.

Para a professora aposentada Ana Rossi, 59 anos, o governo federal retira investimento da educação. “Esse governo está atacando demais a educação. Todos os países que a gente conhece no mundo quando querem se reerguer eles investem forte em educação. E aqui eles alegam que nosso país está ruim e eles têm que tirar da educação. Eu aposentei esse ano, já dei aula na rede particular, municipal e estadual. O cargo público é considerado um cargo de luxo porque tem uma aposentadoria diferenciado só que ninguém conta que, no começo, a gente ganha abaixo do mercado, a gente aguenta falta de estrutura, excesso de aluno em sala de aula.”

SÃO PAULO, 18h06 - Com instrumentos, manifestantes caminham até a Secretaria da Educação, na Praça da República — Foto: Patrícia Figueiredo/G1 Manifestantes se reúnem às 17h25 na Avenida Paulista.  — Foto: Reprodução/GloboNews

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/08/13/manifestantes-fazem-ato-em-defesa-da-educacao-e-contra-a-reforma-da-previdencia-na-avenida-paulista.ghtml

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.Os campos obrigatórios são marcados *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: