Macaco sagui é apreendido na casa de diretor do Iabas em SP; polícia também encontrou tartaruga exótica e calopsitas

A macaca sagui de tufo branco Dody, apreendida pela Polícia Civil na casa de um dos diretores da Organização Social Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde) na capital paulista será levada ao Parque Ecológico do Tietê. A apreensão ocorreu no âmbito de operação que apura desvios em contratos com a Prefeitura do Rio de Janeiro.

Na capital paulista foram cumpridos dois mandados de busca, segundo a polícia.

O diretor do Iabas, Luciano Artioli Moreira, que estava com o sagui sem sua casa assinou um termo circunstanciado de crime ambiental e foi multado por não ter autorização para manter o animal em cativeiro. Na casa do diretor também foram encontrados outros animais, entre eles duas galinhas, uma tartaruga exótica tigre d’água americana e duas calopsitas.

Sagui Dody é apreendida e será levada a parque estadual — Foto: Polícia Civil/divulgação

Os animais foram levados para a sede da Delegacia Geral da Polícia Civil de São Paulo, no Centro da capital paulista.

A operação

A ação da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro investiga desvios de R$ 6,5 milhões em contratos da Iabas com a Prefeitura do Rio. Foram presos, no Rio de Janeiro, os empresários Marcos Duarte da Cruz e Francesco Favorito Sciammarella Neto.

A polícia procurava ainda por Luis Eduardo Cruz, ex-controlador do Iabas, a mulher dele, Simone Amaral da Silva Cruz, e Adriane Pereira Reis.

Segundo a força-tarefa, a antiga gestão do Iabas recebeu, entre os anos de 2009 e início de 2019 — nas gestões de Eduardo Paes Marcelo Crivella –, R$ 4,3 bilhões em recursos públicos, dos quais os R$ 6,5 milhões teriam sido desviados. Ainda não se sabe quando esse esquema começou.

Segundo as investigações, o esquema movimentou cerca de R$ 6,5 milhões e envolvia superfaturamento e contratações de fornecedores laranjas (pelo Iabas), que eram supostamente controlados pelo próprio Eduardo Cruz. O dinheiro, aponta a investigação, era sacado na boca do caixa.

A nota do Iabas:

O Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde informa que na manhã de hoje [quinta, 23] sua sede foi alvo de uma operação de busca e apreensão relativa a contratos de gestão com a Prefeitura do Rio de Janeiro, que não estão mais vigentes.

A investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro não abrange os contratos dos hospitais de campanha com o governo do Rio de Janeiro, nem com os contratos mantidos com a Prefeitura de São Paulo e o governo do Mato Grosso.

O Iabas está colaborando com as autoridades, mas ressalta que mantém estritos padrões de comportamento ético e legal e que presta regularmente contas de suas ações aos órgãos de controle das entidades contratantes e aos Tribunais de Contas.

Todas as suas prestações de contas relativas aos contratos com a Prefeitura do Rio foram aprovadas, apenas as informações de 2019 ainda estão sob análise.

O instituto aguarda o desenvolvimento das investigações para saber o que há de concreto nas ilações apresentadas pelo Ministério Público do Rio.

Por fim, o Iabas ressalta que Luiz Eduardo Cruz não possui mais nenhuma relação com o instituto desde setembro de 2017. A direção do Iabas desconhece que qualquer empresa ligada à família de Luiz Eduardo Cruz mantenha contrato com a instituição.

 

Fonte: G1

 

Siga nas redes:
Instagram: jornalimprensaregionalregoeste
Site: jimprensaregional.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/pg/jimprensaregional

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.Os campos obrigatórios são marcados *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: