Febre maculosa é nociva para animais domésticos e seres humanos

A febre maculosa é também conhecida no Brasil por febre do carrapato em razão de ser transmitida pelos carrapatos Amblyomma cajennense e Amblyomma aureolatum. A presença deles é mais comum em áreas rurais, pois se abrigam em animais de grande porte (bois e cavalos), mas também ocorre no meio urbano.

Apesar de não desenvolverem a doença, os animais domésticos, principalmente os cães, são vetores de transmissão da febre maculosa, que em casos extremos podem levar a óbito. Ao perceber os sintomas, procure imediatamente um médico.

Mais recentemente famílias de capivaras têm ocupado as margens dos rios Tietê e Pinheiros. Em Barueri é comum ver esses grandes roedores circulando, mas convém manter distância. Eles também são hospedeiros da doença.

A incidência da febre maculosa é mais comum nos meses de junho a outubro quando os carrapatos estão mais ativos. Os sintomas começam a surgir de dois a 14 dias depois da picada do inseto.

O tratamento da febre maculosa consiste inicialmente na ingestão de antibióticos a fim de evitar que o paciente tenha inflamação cerebral e insuficiências renal e respiratória, o que exigiria a internação em hospital.

Principais sintomas:

  • Aumento do tamanho do baço;
  • Diarreia;
  • Dores de cabeça;
  • Dores musculares;
  • Febre súbita;
  • Inchaço nas pernas e pés;
  • Manchas vermelhas na pele, palmas das mãos e solas dos pés;
  • Náuseas e vômitos;

Medidas de prevenção:

  • Banhe seus animais domésticos com regularidade;
  • Caso encontre carrapatos em animais ou em pessoas, coloque num frasco com tampa e entregue no Departamento de Zoonoses da Secretaria de Saúde.
  • Evite áreas infestadas por carrapatos;
  • Examine os animais e retire levemente os carrapatos usando pinças e luvas;
  • Não administre qualquer tipo de remédio a humanos ou aos animais sem orientação profissional;
  • Não combata focos de carrapatos em matas ou em locais urbanos. Denuncie ao Departamento de Zoonoses;
  • Proíba a entrada de animais domésticos em áreas de matas;
  • Utilize coleiras antiparasitárias nos animais domésticos;

O telefone do Departamento de Controle Técnico de Zoonoses é 4198-5679. Atende de segunda a sexta-feira das 8h às 17h.

 

 

Siga nas redes:
Instagram: jornalimprensaregionalregoeste
Site: jimprensaregional.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/pg/jimprensaregional

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.Os campos obrigatórios são marcados *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: