Cravi realiza 281 atendimentos em julho na capital

O Centro de Referência e Apoio à Vítima (Cravi), localizado no Fórum Criminal da Barra Funda, na capital paulista, registrou 281 atendimentos, realizados por telefone ou de forma online, ao longo ao mês de julho. O percentual significa um aumento de 134% comparado com a média mensal de janeiro a junho de 2020.

“Observamos que as vítimas de violência encontram eventuais dificuldades na realização do atendimento no âmbito doméstico, mas, apesar disso, o número de vítimas que aceita o atendimento ofertado é considerável”, disse o coordenador geral do Cravi, Bruno Fedri. Desde meados de março houve aumento expressivo de casos de violência, especialmente a doméstica, e muitos chegaram ao Centro de Referência.

Outro fator que desencadeou o aumento de atendimentos foi a parceria firmada entre a Secretaria da Justiça e Cidadania, por meio do Cravi, e a Pontifícia Universidade Católica (PUC). “Cerca de dez alunos do quinto ano de Psicologia se uniram à equipe do CRAVI e realizam, diariamente, contato com todas as vítimas de violência doméstica cujos boletins de ocorrência são encaminhados ao CRAVI após a realização da audiência de custódia. Nestes contatos, além do acolhimento é oferecido atendimento psicológico”, ressaltou o coordenador.

Além da unidade no Fórum Barra Funda, outras unidades também registraram aumento na procura pelo serviço. Em Araçatuba os índices chegaram a 28% em relação à média anual. Já em Santos, o crescimento foi de 15%.

Para solicitar informações e atendimento, a vítima pode entrar em contato por meio do telefone (11)3392-2624, deixar seu nome e número para contato, ou enviar um e-mail para cravi@justica.sp.gov.br.

 

Fonte: Governo do Estado de SP

 

Siga nas redes:
Instagram: jornalimprensaregionalregoeste
Site: jimprensaregional.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/pg/jimprensaregional

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.Os campos obrigatórios são marcados *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: